As histórias de Brasília e da UnB se entrelaçam. É impossível contar a história da nova capital sem mergulhar na trajetória da Universidade. Ambas nasceram dos sonhos, da ambição e da genialidade de múltiplos personagens, como Dom Bosco, Juscelino e Sarah Kubitschek, Lúcio Costa, Oscar Niemeyer, Marianne Perreti, Darcy Ribeiro. E foram construídas com o conhecimento e com o suor de muitas outras pessoas, como os candangos que para cá vieram.

 

Quase 60 anos depois de serem criadas, Brasília e a UnB tornaram-se pilares fundamentais da sociedade brasileira. A primeira concentra o poder político de nosso país por meio da administração pública. O quadradinho recebe gente de todo lugar, mistura culturas e produz profissionais, artistas e ideias admiradas no Brasil inteiro.

 

Entre as maiores instituições de ensino superior nacionais, a Universidade de Brasília atende aproximadamente 51.200 alunos de graduação e de pós-graduação, espalhados por seus quatro campi e em cursos à distância. Em pleno contato com a comunidade, desenvolve cerca de 600 projetos de extensão nas mais diversas áreas. É uma das mais frutíferas produtoras de pesquisa e de inovações do país.

 

Para além da envergadura política pela qual é conhecida a capital do Brasil e muito além do que é noticiado pela imprensa em relação à UnB, essas duas personagens injetam no Brasil muitos dos valores sob os quais foram criadas: diversidade, inovação, conhecimento e democracia.

 

Conhecer projetos e pesquisas e os impactos dessas iniciativas na nossa sociedade é o caminho mais curto para se orgulhar da Universidade de Brasília e valorizar ainda mais o que a instituição tem feito ao longo de quase seis décadas: a formação de profissionais e cidadãos capazes de transformar o mundo.

 

Ao longo de 2020, a campanha UnB no coração de Brasília apresentará uma série de iniciativas impactantes da Universidade, reforçando a sua conexão íntima e inseparável com a capital e a importância da instituição para o país.